quinta-feira, abril 29, 2010

O que se perde enquanto os olhos piscam

Pronde vai,
Toda tampa de caneta?
todo recibo de estacionamento?
todo documento original?
Isqueiro, caderneta,
a camiseta com aquele sinal...?
Pra onde vai toda palheta?
Pra onde foi todo nosso carnaval?
Pra onde vai,
Todo abridor de lata?
Toda carteira de habilitação?
Recado não dado, centavo, cadeado?
Todo guarda-chuva!
Pra fuga pro temporal!
Pronde vai... o achado, o perdido?
eu não sei, veja bem...
não me leve a mal...
Pra onde vai
todo outro pé de meia,
carteira, brinco e aparelho dental?
pra onde vai toda diadema?
recibo, receita e o nosso enredo inicial?
Pra onde vai
toalha de acampamento,
presilha, grampo, batom de cacau
elástico de cabelo
lápis, óculos, clips, lente de contato?
a nossa má memória!
a denúncia no jornal?
pra onde vai... aliança, chaveiro, chave, chinelo?
e o controle pra trocar canal?
Pra onde vai
O solo que não foi escrito?
Labareda nesse labirinto,
o instinto, o reflexo, sem seguro?
O coro do Socorro! O lançamento oficial!
Pra onde vai... a culpa da cópia?
Pra onde foi... a versão original!?

Pra onde vai
a bala que se disparô?
o indício da gripe que disseminou?
a culpa no porco no bicho animal?
a firmação do pulso! O discurso radical!
o troco em moeda... a lição da queda
Pra onde foi... nosso humor e moral?
Pra onde vai todo nosso desalento?
toda brisa vem de um vendaval
pra onde vai a reza cortada por sono
ela vale? Me fale... me de um sinal!
Pra onde foi
O canhoto, benjamim de tomada
Passaporte, n. de telefone, certidão,
registro com foto, simpleza, prudência, clareza... consideração!
Autenticidade, compaixão, certeza...
a urgência, o acaso e a ocasião,
a postura, o primeiro nome, o amuleto, a muleta,
a raiva, a régua, a borracha, o erro, a rasura, a razão
Carregador de bateria, euforia, a perda, a pendência, o pudor o perdão!
extrato, a ponta, a conta nova, a cola da prova e a extensão,
o estímulo, exemplo, ,a voz dissonante...
A coragem do meu coração??

São Longuinho, São Longuinho
Me fale me dê um sinal!
São Longuinho, São Longuinho
Pra onde foi?
A coragem do meu coração!

5 comentários:

Théo Borges disse...

cara! eu achei simplismente sensacional seu poema.

estou segundo vc a partir d agora e quero conversar mais, talvez uma parceria...

abraços, visite-me qdo puder: comentado

http://leituraopinativa.blogspot.com/

rpgvale.com.br disse...

Fantástico seu poema, continue escrevendo assim, bom mesmo

pisovelho.com.br disse...

Alguns trechos me lembraram o engenheiros por sua complexidade... :)

Deane disse...

super criativo seu comentário la no meu blog hein? =/

[não precisa aceitar]

criativo e curioso disse...

muito bom o poema :D

Postar um comentário